comunicação

Notícias

17 de abril de 2019

Setor pede redução
do preço do diesel

Setor pede redução

O setor de transporte público por ônibus urbano defendeu hoje, junto ao Governo Federal, a adoção de políticas públicas para atenuar o enorme peso do preço do óleo diesel no custo de vida dos brasileiros, tendo em vista o impacto que o aumento do combustível tem no preço das passagens. O diesel representa hoje 25% dos custos totais do transporte coletivo urbano por ônibus, serviço público essencial e um direito social dos brasilieiros, utilizado principalmente pelas classes mais carentes da sociedade.

Esse foi o teor do ofício enviado diretamente ao presidente da república, Jair Bolsonaro, no qual o setor manifesta apoio à preocupação do governo com o reajuste do preço do óleo diesel, recém anunciado pela Petrobrás. "É importante que o Executivo tenha em mente que o óleo diesel, utilizado para abastecer a frota de caminhões é o mesmo utilizado nos quase 100 mil ônibus urbanos em operação no Brasil", destaca Otávio Cunha, presidente executivo da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que assina o ofício.

Ainda de acordo com a NTU, o óleo diesel representava no passado apenas 10% dos custos totais do ônibus na época em que existiam subsídios cruzados na cadeia do petróleo e o preço desse combustível representava apenas uma fração do preço da gasolina, situação que mudou ao longo dos anos.

A Associação, que representa cerca de 500 empresas associadas e mais de 70 entidades patronais filiadas de todas as regiões do país, também reforça que os coletivos urbanos realizam diariamente mais de 50 milhões de deslocamentos de pessoas nas cidades, o equivalente a 87% das viagens em transporte público coletivo urbano no país.

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de agosto de 2019

Vice-presidente da Fetronor recebe homenagem da NTU

Luiz Fernando Bandeira de Mello ganhou medalha Medalha do Mérito do Transporte Urbano Brasileiro

21 de agosto de 2019

Despoluir realiza diagnóstico ambiental

nas empresas do Rio Grande do Norte

20 de agosto de 2019

Empresas querem legislação mais flexível

para fazer frente a aplicativos

MAIS NOTÍCIAS