comunicação

Notícias

12 de julho de 2017

TJ suspende lei
que dá gratuidade a PMs

TJ suspende lei

Os desembargadores que integram o Pleno do Tribunal de Justiça do Estado acataram liminarmente o pedido feito por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade e determinaram a suspensão da eficácia da Lei nº 419/2015 do Município de Natal, a qual "dispõe sobre o livre acesso de policiais militares, guardas municipais e carteiros nas unidades - viaturas que integram a frota do Sistema Municipal Concessionário do Serviço de transporte coletivo de Natal".

A votação se deu à unanimidade de votos e em harmonia com o parecer da Procuradoria Geral de Justiça. Segundo o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, há vício material na lei impugnada, já que o Poder Legislativo Municipal teria ingressado em matéria reservada à discricionariedade da Administração na gestão do serviço público, em violação aos artigos 2 e 64, inciso IX, da Constituição Estadual, ao estabelecer que a Prefeitura conceda gratuidade tarifária para policiais militares, guardas municipais e carteiros.

O Município também argumentou que o ato legislativo viola o direito constitucional à manutenção do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão de transportes públicos municipais, garantidos pelo artigo 26, inciso XXI, da Carta Estadual e, desta forma, a interferência nos contratos administrativos em andamento violaria a segurança jurídica e o ato jurídico perfeito.

Decisão

Segundo a decisão no TJ, a discussão jurídica acerca da constitucionalidade da lei impugnada consiste nas regras de competência legislativa e material relativas à instituição de dado benefício ou gratuidade, bem como seus reflexos nos correspondentes contratos administrativos de concessão do serviço público. "Assim, a vigência da legislação impugnada implica na submissão do Poder Executivo à ingerência do Poder Legislativo de forma continuada, para edição de normas que venham a impactar nos preços das tarifas de Transporte Público, inviabilizando, assim, a busca por eficiência da função administrativa", definiu o relator, desembargador Amaury Moura.

O magistrado destacou ainda que ao legislador municipal não cabe a liberdade absoluta ou plenitude legislativa, diante das limitações impostas pelo ordenamento constitucional. Os desembargadores que integram o Pleno do Tribunal de Justiça do Estado acataram liminarmente o pedido feito por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade e determinaram a suspensão da eficácia da Lei nº 419/2015 do Município de Natal, a qual "dispõe sobre o livre acesso de policiais militares, guardas municipais e carteiros nas unidades - viaturas que integram a frota do Sistema Municipal Concessionário do Serviço de transporte coletivo de Natal".

A votação se deu à unanimidade de votos e em harmonia com o parecer da Procuradoria Geral de Justiça. Segundo o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, há vício material na lei impugnada, já que o Poder Legislativo Municipal teria ingressado em matéria reservada à discricionariedade da Administração na gestão do serviço público, em violação aos artigos 2 e 64, inciso IX, da Constituição Estadual, ao estabelecer que a Prefeitura conceda gratuidade tarifária para policiais militares, guardas municipais e carteiros.

O Município também argumentou que o ato legislativo viola o direito constitucional à manutenção do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão de transportes públicos municipais, garantidos pelo artigo 26, inciso XXI, da Carta Estadual e, desta forma, a interferência nos contratos administrativos em andamento violaria a segurança jurídica e o ato jurídico perfeito. Decisão Segundo a decisão no TJ, a discussão jurídica acerca da constitucionalidade da lei impugnada consiste nas regras de competência legislativa e material relativas à instituição de dado benefício ou gratuidade, bem como seus reflexos nos correspondentes contratos administrativos de concessão do serviço público.

"Assim, a vigência da legislação impugnada implica na submissão do Poder Executivo à ingerência do Poder Legislativo de forma continuada, para edição de normas que venham a impactar nos preços das tarifas de Transporte Público, inviabilizando, assim, a busca por eficiência da função administrativa", definiu o relator, desembargador Amaury Moura. O magistrado destacou ainda que ao legislador municipal não cabe a liberdade absoluta ou plenitude legislativa, diante das limitações impostas pelo ordenamento constitucional.

Fonte: Nominuto.com

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de abril de 2018

Equipe do Despoluir realiza reunião

Encontro foi na cidade do Recife

16 de abril de 2018

Copa SEST SENAT de Futebol 7 Society

Campeonato mobiliza trabalhadores do transporte de todo Brasil

11 de abril de 2018

Fetronor participa do treinamento do Despoluir

Gestores se reuniram no Sest Senat de Brasíla

MAIS NOTÍCIAS