comunicação

Notícias

21 de maio de 2018

Alta do diesel
prejudica o transporte

Alta do diesel

As empresas de ônibus, responsáveis por 86,3% do deslocamento da população nas cidades brasileiras, afirmam ter registrado este ano, de janeiro a maio, prejuízo de R$ 1 bilhão devido ao aumento médio de 11% no preço do óleo diesel nos cinco primeiros meses do ano.

A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que representa o setor, decidiu pedir ajuda ao governo federal para conter as perdas.

"Alguma variação de preço o setor até pode absorver, mas o problema é a dosagem desses reajustes. Se continuar assim, não sei se teremos fluxo de caixa para manter a regularidade do atendimento à população", disse o presidente executivo da NTU, Otávio Cunha.

A entidade informou que já solicitou audiência com o secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, Fábio Kanczuk, para tratar do assunto. Cunha ressalta que a gravidade da situação tem levado as empresas a buscarem reajustes emergenciais dos preços das passagens.

"Apesar das tarifas serem de competência dos municípios, o preço do combustível passa pelo governo federal. A política de reajuste da Petrobras veio de decisão do governo, e o Ministério da Fazenda tem implicação direta nisso", disse o presidente da NTU.

Cunha lembrou que o reajuste anual das passagens já ocorreu em praticamente todas as capitais entre dezembro de 2017 e maio deste ano. Ele alega que não é possível transferir as variações frequentes do preço do combustível para o valor das passagens de ônibus.

Ao Ministério da Fazenda, a NTU pretende propor uma "medida compensatória" frente à política de preços do diesel. O setor usa dados da própria Petrobras para mostrar que, nos últimos 45 dias, de 4 de abril a 18 de maio, houve um aumento de 25,42% nas refinarias, o que não chegou na totalidade às bombas de combustível.

A associação pretende retomar a discussão sobre algumas soluções indicadas pela equipe econômica do governo no auge das manifestações de 2013 contra o aumento das passagens. Cunha disse que, na época, foi avaliada a proposta de transformar o impacto de aumentos no preço do combustível, comprovado com notas fiscais, em descontos a serem concedidos no pagamento de tributos federais pelas empresas de ônibus.

"Prestamos um serviço de caráter essencial, tão importante como a saúde e a educação. É preciso que isso seja considerado. Se vier a compensação, vamos assumir o compromisso de não repassar o valor integral dos reajustes para a passagem", afirmou Cunha.

A associação destaca ainda que a alta acumulada do diesel este ano está dez vezes acima da inflação do período. O combustível representa a segunda maior parcela de custo (23%) das companhias de ônibus, perdendo apenas para a folha de pagamento de pessoal. O setor avalia que o aumento do diesel já levou 33% das 1,8 mil empresas ao endividamento.

FONTE: NTU

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

21 de junho de 2018

Escola Reginaldo Ferreira recebe o Despoluir

43 alunos conheceram o Programa Ambiental do Transporte

20 de junho de 2018

Inscrições abertas para Prêmio CNT de Jornalismo

Concorrem trabalhos jornalísticos veiculados entre 8/08/2017 e 6/08/2018

18 de junho de 2018

Copa SEST SENAT de Direção Segura e Econômica

Partidas entre empresas de transporte começam nesta terça-feira (19)

MAIS NOTÍCIAS