comunicação

Notícias

01 de fevereiro de 2018

Veleiro defende tarifa de R$4,47 em Maceió
Perdas no volume de passageiros chegam a 31%

Veleiro defende tarifa de R$4,47 em Maceió

A perda de mais de 31% no volume de passageiros, em dezembro de 2017, e o prejuízo de R$ 25 milhões nos últimos dois anos explicariam por que razão a empresa Veleiro propôs à Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) elevação da tarifa de ônibus para até R$ 4,47. O valor é R$ 0,45 centavos superior aos R$ 4,02 sugeridos pelo Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros (Sinturb). Atualmente, a passagem custa R$ 3,50.

A informação de que a Veleiro precisaria de tarifa bem maior para recompor suas receitas surgiu durante reunião do Conselho de Transportes e Trânsito da Capital, ontem, na sede da SMTT. De acordo com o empresário Gustavo Barbosa, a redução de 31,95% no volume de passageiros significou prejuízo de R$ 1.022.479,50 somente em dezembro de 2017. Naquele mês, os coletivos da companhia deveriam ter transportado até 914.165 passageiros, mas só receberam 622.028 mil.

"O ideal para o sistema seria o retorno dos passageiros perdidos. É por isso que cobramos fiscalização sobre outros tipos de transporte", disse Gustavo Barbosa, referindo-se às lotações clandestinas que coletam virtuais passageiros da Veleiro e os levam por preço reduzido ao centro da capital alagoana.

"Para taxista, ficou viável fazer lotação sem levar em consideração o taxímetro", completou o empresário, segundo a qual a "concorrência é desleal" e muito visível nos trechos onde a Veleiro é que detém autorização para coletar e transportar passageiros. "Quando a fiscalização aparece, o passageiro regressa", afirmou o empresário.

FONTE: Gazetaweb.globo.com

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

15 de fevereiro de 2018

2018: ano de investir no transporte

Entrevista do presidente da CNT, Clésio Andrade

08 de fevereiro de 2018

Simulador de financiamento da CNT

facilita compra de ônibus

06 de fevereiro de 2018

Fetronor realiza mais de180 mil aferições do Despoluir em 2017

Federação está entre as primeiras do Brasil, segundo CNT/Sest Senat

MAIS NOTÍCIAS