comunicação

Notícias

23 de maio de 2019

CNT e Sest Senat
debatem previdência

CNT e Sest Senat

A necessidade de aprovação da reforma da Previdência esteve no centro das discussões do 19º Seminário Brasileiro do Transporte Rodoviário de Cargas, realizado nessa quarta-feira (22), na Câmara dos Deputados. A CNT e o SEST SENAT participaram do evento por meio dos debates e da exposição "O Transporte Move o Brasil", que destacou a relevância do setor transportador para o desenvolvimento do país. Os participantes também conheceram e puderam experimentar o simulador de direção, tecnologia utilizada no treinamento de motoristas nas Unidades do SEST SENAT.

O vice-presidente da CNT, Flávio Benatti, representou a Confederação no evento e foi enfático ao tratar sobre a necessidade de aprovação das reformas estruturantes. "A reforma da Previdência é fundamental para o Brasil. Precisamos ter a consciência de que ela é necessária para que o crescimento do país se torne viável. Com a aprovação, discussões como fretes baixos, por exemplo, ficarão no passado", afirmou.

A opinião foi corroborada por um dos sócios da XP Investimentos, Daniel Cunha. Ele avaliou que a reforma será vital para que a economia seja destravada. "Estimamos um crescimento de 3% ao ano após a aprovação da MP 871/2019, que tramita no Congresso Nacional. Isso representa um crescimento de US$ 150 bilhões, que poderiam ser revertidos para a infraestrutura do país", ponderou.

Infraestrutura

Outro assunto debatido no auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados, foi a infraestrutura de transportes brasileira. O diretor-adjunto do SEST SENAT, Vinícius Ladeira, representando a CNT, disse que o entendimento da Confederação é sempre pela busca da melhoria da qualidade dos sistemas de transporte do país. "Quanto mais eficiente o transporte, mais segurança para os usuários. É necessário que se faça adequação não somente das rodovias mas também de todos os modais, para que haja redução no custo do setor como um todo. O SEST SENAT também está inserido nesse processo e está preocupado tanto com a infraestrutura quanto em oferecer qualidade para quem opera o transporte", explicou.

Ladeira lembrou da histórica falta de investimentos em infraestrutura pelo governo, cenário agravado pela crise econômica e pela insuficiência de recursos públicos. "Hoje, o governo investe algo em torno de 0,17% do PIB (Produto Interno Bruto) em infraestrutura de transportes. A CNT considera que seriam necessários cerca de 2%. Ou seja, os investimentos estão aquém do que o país necessita."

Fonte: Agência CNT

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

27 de maio de 2020

Pandemia pede senso de urgência

na condução da política econômica

27 de maio de 2020

Fetranspor calcula prejuízos de R$ 843 milhões

e perda de 213 milhões de passgeiros

27 de maio de 2020

Para o transporte, nada

Artigo de Antenor Pinheiro - Jornal O Popular

MAIS NOTÍCIAS