comunicação

Notícias

20 de abril de 2015

Com aperto no orçamento, projetos
de mobilidade perdem investimentos

Com aperto no orçamento, projetos

Só neste ano, o setor de transportes deve amargar perdas de R$ 3 bilhões em investimentos públicos voltados para melhorias em infraestruturas rodoviária, ferroviária, portuária e aérea em todo o país. A estimativa é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo o órgão, a previsão de R$ 14 bilhões aplicados pelo governo federal anualmente nos quatro modais deverá cair para R$ 11 bilhões em 2015. As causas seriam o ajuste fiscal promovido em época de crise econômica e o acúmulo de dívidas dos estados e municípios.

De acordo com o Ipea, somando os investimentos públicos e privados, o setor deverá receber aportes de R$ 30 bilhões neste ano. O valor é apenas 0,55% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e quase se equipara aos 0,6% que vêm sendo investidos anualmente de 2010 a 2014, graças ao aumento da participação privada. Segundo o pesquisador Carlos Campos Neto, que dirigiu o trabalho, outros países emergentes, como Rússia, Índia, China, Coreia, Vietnã, Chile e Colômbia, aplicam 3,4% do PIB - seis vezes mais que o Brasil - a cada ano, para projetos de mobilidade.

"Essa porcentagem é muito baixa. O Brasil precisa multiplicar pelo menos quatro vezes o atual patamar de investimentos em transportes para eliminar os gargalos acumulados ao longo de 25 anos de subinvestimento", afirma o especialista, ressaltando que, mesmo com os investimentos em transportes saltando de 0,26% do PIB, em 2003, para 0,6% atualmente, ainda há muito a se fazer. "Se o país quer ter disponível uma infraestrutura adequada ao tamanho e à importância de sua economia, tem que investir", alerta Carlos Campos.

Para ter uma ideia da falta que esses recursos fazem, com R$ 3 bilhões é possível, por exemplo, é possível implantar três sistemas de BRT com a estrutura do TransOeste, que transporta 180 mil passageiros por dia, distribuídos em 57 estações e 51 quilômetros de corredor. Ou construir quase toda a Linha 3 do metrô, prevista para ligar Niterói a São Gonçalo, e orçada em R$ 3,5 bilhões. A obra foi praticamente descartada pelo governo estadual em razão da crise financeira e pode dar lugar a um projeto de BRT.

Na avaliação do Ipea, o cenário vai continuar sombrio em 2016, já que os investimentos deverão subir pouco, chegando a R$ 31,89 bilhões. Como o órgão não considerou os problemas financeiros de empreiteiras envolvidas em casos de corrupção da Operação Lava Jato, os valores podem ser ainda menores até o ano que vem.

 

FONTE: Brasil Econômico

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

22 de janeiro de 2021

Número de passageiros de ônibus em Mossoró

cai mais de 90% durante a pandemia

22 de janeiro de 2021

Em webinar do Sistema CNT, especialistas

apontam oportunidades na aplicação da Lei de Proteção de Dados

21 de janeiro de 2021

Grande Recife propõe aumento de tarifa

nos horários de maior demanda e redução da passagem fora do pico

MAIS NOTÍCIAS