comunicação

Notícias

03 de agosto de 2016

Combustíveis
Sofrem reajuste

Combustíveis

Os preços do diesel (comum e S-10), da gasolina e do etanol ficaram, respectivamente, 7%, 10% e 17% mais caros em julho de 2016, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Conforme dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo) - que levanta os valores médios cobrados pelos combustíveis na bomba - no mês passado, o litro da gasolina estava em R$ 3,64, frente a R$ 3,29 de julho de 2015; o diesel comum passou de R$ 2,80 para R$ 3,01; o S-10 saltou de R$ 2,95 para R$ 3,16; e o etanol, que teve o acréscimo mais expressivo, fechou o mês passado a R$ 2,45, contra a média de R$ 2,08 cobrada em julho de 2015.

O economista e professor do IFG (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás) Adriano Paranaiba explica que diversos fatores explicam esse movimento. Destaca, entre eles, o efeito dos tributos, como PIS, Cofins, ICMS e Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). Alerta, além disso, para os efeitos negativos de um eventual aumento na Cide – alternativa estudada pelo governo federal para aumentar a arrecadação – sobre a economia. "Todas as cadeias econômicas seriam influenciadas, tudo o que precisa ser movimentado, por causa da nossa opção de matriz energética para o transporte ser fundamentada essencialmente sobre o rodoviário. O governo cria ciclos viciosos ao aumentar esse tipo de imposto, pois aumenta o preço do combustível, que é o insumo de tudo o que é produzido no Brasil, promovendo mais inflação. E isso vira uma bola de neve", analisa.

O economista também cita o papel da Petrobras. "Estamos em um momento de baixa histórica do petróleo no mundo. Mas, no Brasil, a Petrobras tem o controle do refino e distribuição, fixando os valores. E a empresa está necessitando controlar seu orçamento, seu caixa, para arrumar o descontrole que houve e compensar as perdas do passado", explica.

Em julho deste ano, o barril do petróleo ficou, na média, em US$ 42, quase 20% menos que em julho de 2015 e aproximadamente 60% abaixo de julho de 2014.

A boa notícia para motoristas de veículos de passeio é que, ao longo deste ano, houve uma leve redução nos preços. Para se ter uma ideia, em março deste ano – mês em que os valores foram os mais altos - a média da gasolina chegou a R$ 3,73 e a do etanol a R$ 2,86. Já o diesel se manteve estável ao longo dos primeiros sete meses deste ano. O comum oscilou entre R$ 3 e R$ 3,02 e o S-10 variou de R$ 3,14 a R$ 3,16.

Conforme Paranaiba, a variação, nesse caso, está relacionada ao período da safra da cana-de-açúcar, principal matéria-prima para o etanol (que integra 27% da gasolina comercializada aos consumidores). Na entressafra, que vai de dezembro a abril, os valores tendem a ficar mais altos, impactando nos preços desses combustíveis.

Fonte: Natália Pianegonda
Agência CNT de Notícias

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

04 de junho de 2020

Justiça indefere pedido de lockdown no RN

Ação foi de autoria da Associação de Juristas Potiguares

04 de junho de 2020

Pós-pandemia: cidades precisam repensar a mobilidade urbana

Confira entrevista com presidente da ANTP

04 de junho de 2020

Trabalhadores do transporte têm até 30 de junho

para se vacinarem contra a gripe

MAIS NOTÍCIAS