comunicação

Notícias

14 de outubro de 2020

Evasão de usuários
abre discussão sobre tarifa

Evasão de usuários

Resolver a questão da tarifa de ônibus é um dos principais desafios dos prefeitos que tomarão posse em 2021. Atingido em cheio pela pandemia, o sistema de ônibus no país, que já que vinha sofrendo com sucessivas perdas de passageiros e de receita, viu a situação piorar.

De acordo com a NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos), entre 2013 e 2019, a redução na demanda do setor foi de 37,4%. Este ano, a queda chegou a 80%. Para evitar o colapso do sistema, no final de agosto, a Câmara aprovou repasse de R$ 4 bilhões da União a empresas de transporte público. O projeto ainda aguarda votação no Senado.

Segundo o presidente da NTU, Otávio Cunha, os recursos serão insuficientes. “Ajuda, mas não garante sustentabilidade a longo prazo. Apenas entre 20 de março e 30 de junho, o setor teve um déficit de R$ 3,72 bilhões.”

Para especialistas, um dos problemas do transporte público é o fato de, na maioria dos casos, o sistema ser sustentado apenas pela tarifa.

“Temos que mudar a forma de custeio, com parte do financiamento vindo dos orçamentos públicos ou de novas fontes de receitas”, diz Clarisse Linke, do ITDP Brasil (Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento).

Capitais como Praga, Madri e Berlim subsidiam mais de 50% do transporte público. Em Paris, parte da receita vem da TVT (Taxa de Contribuição ao Transporte), paga pelas empresas. Taxas de congestionamento e impostos sobre combustíveis também são fontes de custeio na Europa.

No Brasil, São Paulo é uma das poucas cidades que subsidiam os ônibus. Apesar de a tarifa custar R$ 4,40, cerca de 34% são pagos pela prefeitura (R$ 2,25 bilhões). Com a pandemia, deve ultrapassar R$ 850 milhões do previsto, segundo o TCM-SP (Tribunal de Conta do Município de São Paulo). Longe de ser unanimidade, o subsídio está no centro do debate dos candidatos a prefeito na capital paulista.

Em Salvador, o sistema depende 100% da tarifa (R$ 4,20). Entretanto, no mês de abril, a prefeitura gastou R$ 5 milhões na compra de passagens para manter o caixa das empresas.

O secretário de Mobilidade, Fábio Mota, reconhece o desequilíbrio do sistema, mas diz que a cidade não tem como subsidiar o transporte público, já que a maior parte do orçamento está comprometida. Ele defende o subsídio, mas com recursos federais.

Porto Alegre estuda alternativas para reduzir a tarifa (R$ 5,05). Em agosto, a prefeitura encaminhou à Câmara projetos que preveem a cobrança de uma taxa nos moldes da TVT de Paris.

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

29 de outubro de 2020

João Pessoa amplia horário dos ônibus

para atender trabalhadores do comércio

29 de outubro de 2020

Quatro peças marcam nova etapa da campanha de fortalecimento

do transporte público destinada a candidatos nas eleições 2020

28 de outubro de 2020

Termina greve de ônibus em Natal

com acordo entre empresas e trabalhadores

MAIS NOTÍCIAS