comunicação

Notícias

02 de março de 2016

Exame toxicológico
passa a ser obrigatório

Exame toxicológico

A partir desta quarta-feira (2), quem quiser obter ou renovar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) nas categorias C, D ou E terá que fazer o exame toxicológico. O teste também passa a ser exigido na contratação ou desligamento de motoristas profissionais pelas empresas de transporte de cargas e de passageiros. A medida foi determinada pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) e pelo MTPS (Ministério do Trabalho, Emprego e Previdência Social). O exame é feito a partir de amostras de pelos, cabelo ou unhas. Ele constata, por exemplo, a presença de maconha, cocaína, crack, anfetaminas e metanfetaminas no organismo.

Conforme o diretor de Medicina de Tráfego Ocupacional da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), Dirceu Rodrigues, essas substâncias afetam capacidades essenciais, como atenção, visão e audição. Ele ainda lembra que, por ser de larga janela de detecção, o exame toxicológico é capaz de identificar se houve consumo de alguma dessas substâncias até três meses antes da coleta do material, independentemente se o motorista dirigiu ou não. “Esse exame vai identificar se, no período de 90 dias, esse motorista usou alguma droga. Se sim, isso será impedimento para que ele possa dirigir o veículo. Mas o exame não diz a hora que ele usou, o dia que ele usou, tampouco o que ele estava fazendo quando usou essa droga”, explica o médico.

Na avaliação da Abramet, o ideal seria implantar testes realizados a partir da saliva, que pudessem ser aplicados durante a fiscalização de trânsito, nas ruas e rodovias, mais ou menos como funciona com o bafômetro. Isso permitiria identificar se o condutor consumiu alguma substância ilícita no exercício da atividade, “que é quando o acidente pode ser iminente”, reforça Dirceu Rodrigues. Segundo ele, se o resultado fosse positivo, o profissional poderia ser encaminhado para a realização de exames laboratoriais. O Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) trabalha na análise de produtos com essa finalidade. Os resultados dos exames toxicológicos devem ser confidenciais, conter um laudo com todas as substâncias testadas e os respectivos resultados e o profissional terá direito à contraprova. Além disso, o teste não poderá ser incluído no Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional da empresa.

Laboratórios

O exame toxicológico custa cerca de R$ 350. Seis laboratórios estão credenciados para realizar o teste no Brasil, segundo o Ministério das Cidades: Laboratório Morales; Contraprova Análises, Ensino e Pesquisa; Psychmedics Brasil Exames Toxicológicos; Citilab Diagnósticos; Maxilabor Diagnósticos; e Laboratório Chromatox. Pesquisa A pesquisa Perfil dos Caminhoneiros, realizada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte) aponta que 3 de cada 10 motoristas a quem já foi ofertada alguma droga ilícita acabaram utilizando a substância. O levantamento foi feito com 1.066 profissionais do transporte de cargas em todas as regiões do Brasil. ​

Natália Pianegonda - Agência CNT de Notícias

Foto: Sérgio Alberto

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

03 de junho de 2020

Falta ampliação do Sistema de Transporte

da Região Metropolitana do Recife

03 de junho de 2020

Crise atinge montadoras de ônibus

Vendas de ônibus novos sofrem queda de 37%

03 de junho de 2020

Novo decreto de isolamento na Paraíba

impõe medidas mais rigidas até o dia 14

MAIS NOTÍCIAS