comunicação

Notícias

23 de setembro de 2015

Fetronor defende expansão das faixas
exclusivas de ônibus no Brasil

Fetronor defende expansão das faixas

O presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Nordeste (Fetronor), Eudo Laranjeiras, defendeu a ampliação das faixas ou corredores exclusivos para ônibus em todo o País. "É uma medida de baixíssimo custo, de imediata implantação e de fácil percepção de melhoria por parte daqueles que utilizam esse modal", afirmou.

Segundo ele, em todos os estados representados pela Fetronor (RN, PB, AL e PE) onde foi adotada a medida, houve aprovação por parte daqueles que utilizam os transportes coletivos, o que representa uma tendência para todo o Brasil, pela real melhoria na qualidade do serviço, ganho de tempo de viagem e melhor avaliação da população.

Nesse sentido, na cidade de Natal, por exemplo, apesar de a implantação ter se iniciado no último dia 5 de setembro, já houve avanço na velocidade média dos ônibus na faixa exclusiva. "A medida ainda não atende por completo as necessidades do setor, mas vale salientar que ainda está em testes, para que seja ampliada", lembrou.

Injustiça social

Quanto às críticas por parte daqueles que utilizam o transporte individual, Eudo ressaltou que esses correspondem apenas a cerca de 30% das pessoas que se deslocam nas cidades, em contrapartida à aprovação das demais 70% das pessoas que se utilizam do transporte coletivo.

"Lutamos por essa e outras medidas e ações que visem corrigir a injustiça social que ocorre na utilização do espaço viário público, onde 30% das pessoas se deslocam nas cidades utilizando o transporte individual, mas ocupam mais de 70% do espaço viário das cidades e cerca de 70% as pessoas que se deslocam nas cidade utilizam o transporte coletivo utilizando apenas 30% do espaço viário", acrescentou.

Ônibus elétricos

Para ele, os ônibus totalmente elétricos que utilizam baterias próprias para seus deslocamentos representam um conceito que inevitavelmente será implantado daqui a alguns anos, dentro de um processo de maturação natural. Em São Paulo os famosos ônibus elétricos (eletrobus) já existentes há muitos anos, se utilizam da rede de distribuição elétrica, o que os impede de circularem fora dessa rede, limitando seu espaço e uso.

Eudo ressaltou porém, que toda e qualquer alteração na matriz energética utilizada hoje implicará em imediato reflexo no aumento dos custos, diante da fragilidade dos cofres públicos e da falta de políticas de priorização dos transportes coletivos, que tornam a implantação dessas tecnologias ainda mais onerosas.

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

18 de setembro de 2020

De que reforma tributária o transporte precisa?

Proposta de criação da CBS não é suficiente

18 de setembro de 2020

SEST SENAT realiza mobilização nacional

na Semana do Trânsito

17 de setembro de 2020

Setor de transporte começa a dar sinais de recuperação

Economista e representantes avaliam que o momento é de estabilidade

MAIS NOTÍCIAS