comunicação

Notícias

23 de julho de 2013

Incentivos reduzem investimentos
IPI poderia ser utilizado na melhoria do transporte público

Incentivos reduzem investimentos

Priorizar o transporte público como solução para o problema da mobilidade nas grandes cidades. Para que o discurso do governo federal, que ganhou força após os protestos, seja efetivado, é preciso vencer barreiras como a mudança da política adotada pela União de incentivos fiscais para o transporte individual. Isso porque aquilo que deixa de ser arrecadado com tributos desse setor poderia estar sendo investido na qualidade do transporte público em todo o país. O prejuízo do governo federal resulta em magros repasses de recursos para estados e municípios, que são os responsáveis diretos pelas obras de mobilidade e pela gestão do trânsito.


Os números explicam o quanto esse paradoxo tem sido prejudicial para as finanças de estados e prefeituras. Somente com a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos de passeio desde 2009, o país vai deixar de arrecadar R$ 10 bilhões até dezembro. Com o fim da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para os combustíveis, os prejuízos superam R$ 6 bilhões de 2012 para cá. Como a fatura é partilhada entre os executivos, através dos Fundos de Participação dos Estados (FPE) e dos Municípios (FPM), Pernambuco já perdeu R$ 894 milhões nos últimos 18 meses do FPE e R$ 65,7 milhões da Cide. Para o Recife, as perdas totais devem chegar a R$ 23 milhões até dezembro de 2013.


O resultado de carro barato e transporte público ineficaz não poderia ser outro. Nos últimos 15 anos, o transporte público perdeu 30% da demanda no Brasil, segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). Os automóveis conquistaram boa parte desses passageiros. “É claro que o preço mais baixo do carro e da gasolina e o aumento da renda do brasileiro favoreceram o cenário. Problema que se não for resolvido fará com que, em 2030, 65% dos deslocamentos sejam por transporte individual. Quando vão para a ponta do lápis, os gestores públicos veem o quanto o transporte público ganharia sem o estímulo à produção de carros. Com R$ 600 milhões que o estado deixou de receber em 2012 daria para fazer até 100 km de corredores de BRT. “Essa política de desoneração é perversa. Não atende ao crescimento econômico”, analisou o secretário das Cidades, Danilo Cabral.


Simplesmente cortar os incentivos para os carros e passar a dar estímulos fiscais ao transporte público não resolve o problema. “Pode trazer impactos para outras áreas. Temos que reduzir o custo do transporte coletivo melhorando as condições operacionais, como a partir da construção de faixas exclusivas de ônibus”, explicou o coordenador regional da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), César Cavalcanti. O governo federal já começou a ensaiar desonerações para esse setor, mas não é o bastante. “O debate sobre financiamento do transporte público tem que ser feito. O custo da tarifa não deve ser todo do usuário, mas subsidiado”, defendeu Danilo Cabral.

Fonte: Ana Cláudia Dolores (Diário de Pernambuco)

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

29 de maio de 2020

Governo de Pernambuco anuncia plano para reabertura econômica

Retorno será gradual e deve respeitar orientações sanitárias

29 de maio de 2020

Prefeitura do Natal diz não ser necessário

adotar regime de lockdown no município

29 de maio de 2020

Desemprego no Brasil sobe para 12,6% em abril

e atinge 12,8 milhões, segundo IBGE

MAIS NOTÍCIAS