comunicação

Notícias

11 de novembro de 2020

O futuro do
transporte público

O futuro do

Como ocorre todos os anos, há quase três décadas o setor de transporte público por ônibus urbano divulga o desempenho do modal em termos de eficiência, produtividade e outros indicadores que demonstram objetivamente o que precisa ser melhorado no ônibus em todo o país. No decorrer dessa série histórica, pelo menos nos últimos 20 anos, as constatações têm sido as mesmas: ausência de políticas públicas integradas, falta de investimentos em infraestrutura urbana para qualificação das vias, falta de planejamento e racionalização dos sistemas de transportes,e necessidade de fontes extratarifárias para financiar a prestação do serviço de forma equilibrada e a custo reduzido para os passageiros. Esses são os grandes empecilhos à evolução do serviço de ônibus no Brasil.

A situação é decorrente de um equívoco estrutural, que se traduz na estagnação dos investimentos e em políticas públicas que privilegiam há décadas o transporte individual em detrimento do coletivo. O caos urbano que vivenciamos hoje é a somatória desses erros históricos.

Como consequência, em quase 40 anos, o transporte público coletivo sofreu drástica redução de representatividade na matriz de deslocamento nas áreas metropolitanas do Brasil. Caiu de 67% para 28,4% de 1977 a 2014. Significa dizer que o transporte individual vem ocupando mais espaço nas vias. Equilibrar essa matriz no atual cenário de crise econômico-financeira do Brasil torna-se tarefa ainda mais desafiadora.

Felizmente, as crises impulsionam grandes movimentos propositivos em reação aos desafios e foi o que moveu o setor na elaboração do documento “Construindo hoje o amanhã — propostas para o transporte público e a mobilidade urbana sustentável no Brasil”, elaborado pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) em parceria com a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), o Fórum de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana e a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU).

Pela primeira vez, as principais propostas de consenso para recuperar o setor foram reunidas, resultando em cinco programas que podem efetivamente construir um transporte público de boa qualidade, com transparência e preços acessíveis aos passageiros. Trata-se, principalmente, de uma demanda setorial ao governo federal quanto a investimentos em infraestrutura e fontes de recursos para custear a operação dos serviços.

Para se ter uma ideia da situação, no período 2018-2019 entraram em operação apenas três projetos de priorização do transporte público em todo o Brasil. Conforme a série histórica do setor, apenas um sistema BRT e uma faixa exclusiva em Niterói (RJ), e outra, em Curitiba (PR).

As propostas setoriais são uma contribuição aos gestores públicos das três esferas de governo. Se aplicadas, poderão devolver a velocidade operacional e a produtividade ao transporte público, permitindo que o ônibus volte a ser atraente ao passageiro. Um compromisso inadiável, afinal, esse serviço público é direito social, garantido pelo artigo 6º da Constituição Federal, assim como saúde e educação.

A despeito da paralisação de projetos de mobilidade urbana e da ausência de investimentos públicos no transporte coletivo urbano, o setor resiste e tem dedicado todos os esforços para manter a oferta do serviço com a menor tarifa possível. E, agora, vai além, com um amplo programa de inovação em mobilidade coletiva que busca soluções inéditas para se reinventar e atender às justas expectativas de passageiros e não usuários do transporte público.

O transporte público que o passageiro deseja no futuro passa pela conquista da mobilidade realmente sustentável e inovadora, que só poderá existir se for baseada numa rede organizada, integrada e robusta, que cumpra plenamente seu papel social de ofertar um serviço universal, contínuo e com modicidade tarifária. E terá de ser cada vez mais inclusivo e capaz de atender a todos os perfis de usuários, em especial das classes sociais de menor poder aquisitivo e segmentos mais vulneráveis da população, incluindo idosos, estudantes, pessoas com deficiência e outros beneficiários de gratuidades.

Para que o ônibus consiga alcançar a excelência é imprescindível que a sociedade e os poderes públicos nas três esferas de governo tenham consciência e entendam que hoje o passageiro é quem paga sozinho a conta da ausência do Estado, da baixa qualidade do serviço e da falta de uma fonte permanente de financiamento que alivie o peso das tarifas. Sem ele, não haverá futuro para o transporte coletivo urbano. E sem o transporte coletivo, não haverá futuro para nossas cidades.

Otávio Vieira da Cunha Filho - Presidente executivo da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU)

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

30 de novembro de 2020

Vencedores do Prêmio CNT de Jornalismo

serão conhecidos em live nesta terça-feira (1º)

27 de novembro de 2020

ITL e SEST SENAT inauguram turma

de Especialização em Gestão de Finanças

27 de novembro de 2020

Inflação prévia do setor de transportes

para novembro tem alta de 1%

MAIS NOTÍCIAS