comunicação

Notícias

04 de agosto de 2020

Transporte coletivo
é o grande aliado

Transporte coletivo

Ninguém ao certo sabe como será e quanto durará o tal “novo normal”, termo que virou moda ao se referir à tentativa da humanidade de prosseguir a vida até que vacinas contra a Covid-19 sejam distribuídas.

Ocorre que, com todos os cuidados para que novas ondas da doença não surjam, a retomada é necessária, sempre preservando os mais vulneráveis, como idosos e pessoas com problemas crônicos de saúde.

Ao contrário do que muita gente prega, não é e nem será o transporte coletivo o maior risco para as contaminações, desde que operado e gerenciado adequadamente para a atual situação.

Na verdade, o transporte coletivo é e será o grande aliado na retomada rumo à chamada normalidade.

Mas para isso, a mobilidade deve estar no foco das autoridades públicas e da iniciativa privada que, com os atuais recursos e com a rapidez necessária, devem tomar ações que deixem os serviços de transportes públicos mais eficientes.

O normal pode ser “novo”, mas as soluções são bem conhecidas. Para os ônibus, os espaços preferenciais são mais que necessários. Os coletivos devem ganhar velocidade e eficiência para não lotarem. Isso mesmo, lotação nem sempre tem a ver com quantidade de ônibus. O que adianta ter uma frota grande nas ruas se ela toda fica presa em um pedaço na linha por causa dos congestionamentos?

Nova Iorque traz um ótimo exemplo. O jornal The New York Times publicou uma longa reportagem, contextualizada para a realidade brasileira pelo portal especializado em mobilidade Diário do Transporte, que revela que pela primeira vez em 50 anos, os ônibus passaram a transportar mais passageiros que o Metrô.

Segundo a matéria, além de as pessoas se sentirem mais seguras pelo fato de as paradas serem mais arejadas que as estações subterrâneas, o resultado faz parte de uma série de investimentos simples e de baixo custo realizados pela prefeitura: mais faixas simples pintadas nas vias e semáforos que dão preferência aos ônibus.

Veja a matéria em:

https://diariodotransporte.com.br/2020/07/12/onibus-tem-atraido-mais-passageiros-que-metro-em-nova-iorque-e-e-visto-como-solucao-na-retomada-em-meio-a-pandemia/

Criação de linhas expressas e semi-expressas, além de melhor adequação das linhas à demanda, com possibilidades de mudanças de acordo com as atuais necessidades, estão entre as soluções simples e de fácil aplicação. O poder público precisa ser ágil para atender a estas mudanças porque hoje, na maioria das cidades brasileiras, por mais simples que seja a alteração de uma mera linha, a burocracia ainda é grande demais.

E tanto para os transportes por ônibus ou por trilhos, as medidas de sanitização e limpeza têm mostrado que os sistemas podem ser seguros e contribuírem para que as pessoas tenham acesso ao emprego, renda e a equipamentos de saúde tão essenciais nesta pandemia.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

30 de setembro de 2020

Publicação orienta candidatos sobre

transporte público

29 de setembro de 2020

Gestão ágil requer adaptabilidade e

flexibilidade das organizações

29 de setembro de 2020

Sistema CNT promove capacitação

em gestão ágil para setor transportador

MAIS NOTÍCIAS