comunicação

Notícias

11 de janeiro de 2021

Produção de ônibus
fecha ano com queda de 33,5%

Produção de ônibus

A produção de ônibus no Brasil fechou 2020 com uma queda de 33,5%. A informação foi divulgada pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) na manhã desta sexta-feira, 08 de janeiro de 2021.

 

Em todo o ano passado, foram produzidos 18.405 ônibus, comparados a 27.671 unidades fabricadas em 2019, segundo a associação.

 

Comparando os meses de dezembro, a queda foi de 15,4%, passando de 1.192 para 1.009 chassis fabricados. De novembro a dezembro de 2020, por sua vez, a retração foi de 40,8%.

 

Em entrevista coletiva, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, reafirmou que o Caminho da Escola auxiliou a atenuar a crise no setor. O programa do Governo Federal tem como objetivo renovar, padronizar e ampliar a frota de veículos escolares no país.

 

Confira os dados completos, por segmento urbano e rodoviário:

 

De acordo com o vice-presidente da Anfavea, Marco Saltini, o setor enfrentou no ano passado o pior dezembro desde 2016, no que diz respeito à produção.

 

Considerando o acumulado do ano de 2020, a Anfavea considera os resultados de produção os piores desde 1999, conforme já noticiado pelo Diário do Transporte.

 

Relembre:

 

EMPLACAMENTOS

 

O licenciamento de ônibus no Brasil em 2020 apresentou uma queda de 33,4% no acumulado do ano, passando de 20.931 para 13.931 unidades, ainda segundo a Anfavea.

 

Ainda segundo o vice-presidente da associação, Marco Saltini, o resultado foi o pior desde o ano de 2017. "Ônibus é o segmento que mais sofreu. Foram emplacadas 1.110 unidades em dezembro, 17,1% menos do que novembro de 2020", disse.

 

"Se a gente comparar com dezembro, em contrapartida do que aconteceu com caminhões, 40% menos do que dezembro de 2019. A gente sabe que o segmento foi muito afetado e o Caminho da Escola ajudou nesse ano, para que ele não fosse ainda mais afetado" , completou Saltini.

 

"No acumulado do ano, fechamos com 13.900 unidades, bem próximo do número projetado em outubro pela Anfavea, o que representou 33,4% menos do que o ano de 2019. Foi o pior acumulado que a gente teve desde 2017. O mercado de veículos pesados tem dois extremos: caminhões bastante positivo e ônibus bastante negativo, um ano bastante difícil", finalizou.

 

A Mercedes-Benz foi líder no mercado de ônibus de 2020, seguida pela Volkswagen. A Agrale ficou em terceiro lugar no ranking. Confira os números divulgados pela Anfavea:

 

1º) Mercedes-Benz: 6.446 unidades, queda de 42,2%

 

2º) MAN/Volkswagen: 4.246 unidades, queda de 22,9%

 

3º) Agrale (inclui os miniônibus da Volare): 1.614 unidades, queda de 27,6%

 

4º) Iveco (inclui os miniônibus CityClass): 603 unidades, alta de 138,3%

 

5º) Volvo: 444 unidades, queda de 40,3%

 

6º) Scania: 394 unidades, queda de 56,3%.

 

As exportações de ônibus também apresentaram queda no acumulado do ano. A redução foi de 42,3% no período, passando de 7.136 para 4.119 unidades vendidas ao mercado exterior, considerando o ano passado e 2019.

 

Fonte: Diário do Transporte

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

25 de janeiro de 2021

Empresários do transporte público de Campina Grande

apresentam problemas do setor ao prefeito Bruno Cunha

25 de janeiro de 2021

Sistema CNT lança ebook e site dedicados

à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

22 de janeiro de 2021

Número de passageiros de ônibus em Mossoró

cai mais de 90% durante a pandemia

MAIS NOTÍCIAS