comunicação

Notícias

09 de abril de 2015

Projetos com baixa emissão de carbono
Ganham verba de US$ 6 milhões de convênio entre Ministério das Cidades e BID

Projetos com baixa emissão de carbono

Um convênio assinado pelo Ministério das Cidades e pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) prevê a destinação de seis milhões de dólares para projetos de mobilidade urbana com baixa emissão de carbono em grandes cidades. A parceria foi formalizada durante o III EMDS (Encontro de Municípios com o Desenvolvimento Sustentável), em Brasília (DF), nessa quarta-feira (8).

O objetivo é estimular o desenvolvimento de ferramentas que possam avaliar a redução potencial de gases causadores de efeito estufa no transporte coletivo urbano e não-motorizado. Além disso, deve ajudar a custear a implementação de redes cicloviárias integradas com o sistema público já existente. Os projetos-pilotos serão implantados nas cidades de Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Brasília (DF).

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, explicou que a escolha das cidades aconteceu por meio de avaliação multicritério dos maiores centros urbanos brasileiros, realizada pelo escritório técnico que vai desenvolver os trabalhos em conjunto com o Ministério das Cidades. "Esperamos em breve ampliar essa iniciativa para outras cidades”, disse. De acordo com o BID, o setor de transporte é responsável por 43% das emissões de gases causadores do efeito estufa, segundo dados de um estudo realizado em 2005.  É necessária a implantação de medidas que reduzam esses índices nas maiores cidades brasileiras, uma vez que as alterações climáticas decorrentes do aquecimento global já superam as previsões cientificas mais pessimistas. 

Segundo o presidente do Iema (Instituto de Energia e Meio Ambiente), que é um dos parceiros da iniciativa, André Luiz Ferreira, "as políticas de mobilidade urbana precisam incorporar objetivos de qualidade ambiental. Esse projeto quer desenvolver ferramentas, conhecimentos e instrumentos para que isso ocorra." Ele afirmou que a meta é criar soluções que atendam de forma mais eficiente a demanda por transporte urbano, com foco na preservação ambiental. O investimento será a fundo perdido, ou seja, sem a necessidade de contrapartida ou complementação do governo federal. Os recursos virão da empresa Global Environment Facility, responsável pelo Fundo Global para o Meio Ambiente das Nações Unidas.

Natália Pianegonda

Agência CNT de Notícias

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

27 de maio de 2020

Pandemia pede senso de urgência

na condução da política econômica

27 de maio de 2020

Fetranspor calcula prejuízos de R$ 843 milhões

e perda de 213 milhões de passgeiros

27 de maio de 2020

Para o transporte, nada

Artigo de Antenor Pinheiro - Jornal O Popular

MAIS NOTÍCIAS