comunicação

Notícias

17 de setembro de 2020

Setor dá sinais
de recuperação

Setor dá sinais

O país e o setor de transporte vivem uma crise sem precedentes, e pensar em soluções para os problemas gerados é fundamental. Para isso, é preciso olhar para o que passou, aprender com os erros e manter os acertos para que as empresas possam começar a dar pequenos passos novamente em direção ao futuro. 

Foi dentro desse contexto que o ITL (Instituto de Transporte e Logística) promoveu, nesta quarta-feira (16), o webinar “Impactos financeiros da crise no sistema de transporte e perspectivas futuras”. Nas discussões, foi possível perceber que o setor de transporte já vive um momento de retomada e que agora, as empresas olham para frente.

“Hoje, o transporte de cargas já está atuando com por volta de 90% do volume de antes da crise”, destacou o presidente da CNT, Vander Costa. “Já estamos nos recuperando e esperamos alcançar, no último trimestre deste ano, os mesmos números de 2019. A indústria de caminhões pesados já tem pedidos para 2020. Além disso, houve um deslocamento do consumo, e a carga fracionada passou para o e-commerce. Assim, novas necessidades estão sendo criadas. Isso gira a economia.” Em sua fala, o presidente também destacou as medidas do governo federal para proteger empregos. “O governo foi ágil. Ao permitir a redução de jornada e trabalho, veio uma estabilidade. Nos próximos meses, não devemos ter demissões.”

Para o diretor do Ibmec (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais) de São Paulo e do Distrito Federal, Reginaldo Nogueira, no começo da pandemia, a grande preocupação das empresas era o caixa, e quem soube controlá-lo sobreviveu. “As empresas que controlaram o caixa e renegociaram os pagamentos conseguiram atravessar o segundo trimestre, que foi o pior momento. O acesso ao crédito também foi muito importante. A dificuldade ficou para as empresas menores, que acabaram esbarrando na burocracia. A lição que fica é que a ação estatal e a política precisam ter flexibilidade e rapidez”, destaca ele.

Sobre a retomada, Nogueira destaca que será diferente para quem se preparou. “O retorno não será ao que tínhamos antes da pandemia. A retomada é diferente, e as empresas estão se preparando. Nesse sentido, elas ainda precisam se manter atentas às despesas e à evolução do mercado. 

Exemplo disso é o momento vivido por algumas empresas, como a Azul Linhas Aéreas. De acordo com o presidente da Azul, John Rodgerson, com a adoção de medidas de proteção e o cumprimento de protocolos, a retomada começa a acontecer. “Operávamos com mil voos por dia, e isso acabou. Agora, estou vendo os voos retomarem, e esperamos ter, em outubro, 500 voos por dia.” Rodgerson acredita que o pior já passou e que o mais importante para a empresa foi proteger os empregos. "Em momentos assim, é preciso manter o funcionário, que é o maior ativo da empresa. Agora, temos que olhar para a frente com otimismo.” 

Especialização em Gestão de Finanças

Para auxiliar as empresas na gestão financeira dos negócios, o ITL passa a oferecer uma nova capacitação. A Especialização em Gestão de Finanças está com inscrições abertas até o dia 20 de setembro. O curso faz parte do Programa Avançado de Capacitação do Transporte, promovido pelo SEST SENAT e coordenado pelo ITL. O início das aulas está previsto para novembro, em São Paulo (SP). O curso será ministrado pelo Ibmec Educacional. Podem participar gestores financeiros das empresas de transporte dos modais rodoviário, ferroviário, aquaviário e aéreo, de cargas e de passageiros, e operadores logísticos. As empresas devem ser filiadas às federações e/ou associações que integram o Sistema CNT.

 

Saiba mais aqui.

 

Veja a íntegra do webinar aqui

Fonte: CNT

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

29 de outubro de 2020

João Pessoa amplia horário dos ônibus

para atender trabalhadores do comércio

29 de outubro de 2020

Quatro peças marcam nova etapa da campanha de fortalecimento

do transporte público destinada a candidatos nas eleições 2020

28 de outubro de 2020

Termina greve de ônibus em Natal

com acordo entre empresas e trabalhadores

MAIS NOTÍCIAS