comunicação

Notícias

15 de maio de 2020

Transportador deve
buscar renegociação

Transportador deve

Como um choque que se propaga em sucessivas ondas, a crise ocasionada pela pandemia do novo coronavírus revela novas facetas com o passar dos dias. À parte os efeitos bruscos do distanciamento social sobre o transporte de passageiros, as empresas do setor passaram a lidar com múltiplas incertezas. Com isso, muitos contratos precisarão ser revistos ou, até mesmo, descumpridos

Para orientar os empresários nessa revisão de expectativas, a revista CNT Transporte Atual consultou dois especialistas em reestruturação financeira e resolução de conflitos: os advogados Antonio Carlos Mazzuco e Leonardo Neri, da banca Mazzucco & Mello. Juntos, eles cercaram a questão da “quebra” de contratos por todos os ângulos.

No Brasil, como em outros países herdeiros da tradição romano-germânica do Direito, as obrigações seguem um princípio básico, chamado de “pacta sunt servanda”. Isso significa que os pactos devem ser observados, e o descumprimento é a exceção. Para que uma obrigação seja flexibilizada, sem a responsabilização de uma das partes, o nosso ordenamento jurídico reserva poucas hipóteses (veja box).

“Quando a gente fala de descumprimento, criaram-se as doutrinas do caso fortuito e da força maior. Ambas estão no Código Civil brasileiro. Tanto uma quanto outra lidam com a incidência de um fato necessário, cujos efeitos não se podia evitar ou impedir”, esclarece Mazzuco. A pandemia da covid-19 parece se enquadrar nessas características. É preciso ter cautela, no entanto. 

O Código Civil prevê a possibilidade de resolução de um contrato, em caso de “acontecimentos extraordinários e imprevisíveis”, se uma das partes ficar evidentemente prejudicada, ou seja, se a prestação se tornar excessivamente onerosa – vide o art. 478, do CCB.  “Mas, com relação ao setor transportador, não é que os preços (os insumos necessários) tenham aumentado. O dos combustíveis até caiu. Claro que o lockdown (confinamento) tem impacto na operacionalidade das empresas, mas é uma situação muito curiosa”, pondera o advogado. 

Ou seja, não basta alegar a onerosidade excessiva para pedir um reequilíbrio contratual. Para levar causas dessa natureza a juízo, o empresário deverá demonstrar, com muita robustez, as relações de causa e efeito que tornaram a obrigação pesada demais ou inexequível. Terá de produzir provas, por exemplo, da saúde financeira do negócio antes da eclosão da pandemia. 

Há outras sutilezas, aponta Leonardo Neri. “Com relação ao setor de transporte, é preciso diferenciar as relações B2C (Business to Consumer), que são de consumo, das relações B2B, entre empreendedores”, alerta. Em geral, o Direito trata do consumidor como “hipossuficiente”. “Ele é visto em uma posição vulnerável, porque não detém o conhecimento da cadeia produtiva – detém conhecimento somente do produto e do serviço final”, detalha.

Fonte: CNT

Compartilhe esta notícia

últimas notícias

07 de agosto de 2020

PL que votará ajuda ao transporte público

define repasse a cidades com mais de 200 mil habitantes

06 de agosto de 2020

Câmara aprova urgência para votação

da ajuda de R$ 4 bilhões às empresas de ônibus

05 de agosto de 2020

Crise no transporte público de Campina Grande

obriga empresas a operarem com apenas 30% da frota

MAIS NOTÍCIAS